segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Contagem regressiva para a maior feira de vinhos já realizada no Recife

Começa na próxima quinta-feira (22) e vai até o sábado (24) a feira de vinho VARIEDADE. O evento acontecerá das 16h às 22h, no piso L3 do RioMar Shopping, reunindo importadores e distribuidores que atuam no mercado local, nacional e internacional, numa infraestrutura nunca antes montada na cidade. Ao todo, serão mais de 200 rótulos de vinhos e espumantes que o público terá a oportunidade de provar e, se desejar, ainda levar para casa por preços especiais. A feira VARIEDADE é voltada tanto para os apreciadores de vinhos quanto para aqueles que trabalham no ramo de bebida e gastronomia.

Entre os expositores estão:

· Atacamax | Rio Sol Vinhos
· Bodega Premium
· Campo da Serra Queijos Especiais
· Decanter Importadora
· Dom Vinho | Bodegas Selecionadores de Vinhos
· Perini RioMar
· Prime Representações | Schott Zwiesel | Staub | Vista Alegre | Zwilling
· Ridouro Importadora | Quinta Maria Izabel
· RM Distribuidora | Adega Alentejana | AS3 Vinhos | Miolo Wine Group |Interfood | Olive
· Lacomex | Chandon | Trinacria Importadora | Villa Água Mineral
· Licínio Dias Importação | Alta Vista Wines | Ramos Pinto | Vadio Bairrada
· Veloz Distribuição | Casa Flora Importadora | Porto a Porto Importadora
· Zahil Importadora

A programação ainda inclui palestras, lançamentos e exposições.

A realização é da Accriety Eventos & Treinamentos, com apoio da DeVry FBV, Engefrio, Engenho Casa Forte, Finger Móveis Planejados, Liderança Terceirização, Meet Chef e Telamais Equipamentos.

SERVIÇO:
Variedade Feira de Vinhos
Quando: De 22 a 24 de setembro de 2016
Horário: Das 16h às 22h
Local: RioMar Shopping (Pina, Recife) – Piso L3
Ingressos individuais: R$ 70 (por dia de evento)
Vendas: www.bit.ly/feiradevinhos
Mais informações: www.facebook.com/variedadefeiradevinhos

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Curso de Vinho no Recife

A partir do dia 05/10 terá início mais um turma do Curso de Vinho para Iniciantes. O curso terá 5 aulas (05, 11, 19, 26 de outubro e 01 novembro) das 19:00h até 22:00h.

Serão abordados temas como: história do vinho, panorama mundial do vinho, conceito de terroir, a uva, principais tipos de uvas, a vinha e o vinhedo, métodos de vinificação, o vinho e madeira, harmonização, serviço do vinho, técnicas de degustação, dentre outros temas.

Aproximadamente 15 vinhos serão degustados durante o curso e será fornecida uma apostila com todo conteúdo.

As aulas são compostas de uma parte teórica e outra prática. Durante a explanação apresentaremos alguns vídeos que foram selecionados e ao final haverá uma degustação de vinhos relacionados com os temas abordados em sala.

Um dos pontos altos dos curso é a aula sobre harmonização e para fechar com chave de ouro, na aula de encerramento será realizada uma degustação às cegas, sem que se saiba qual vinho está sendo provado, para que os conhecimentos de técnicas de degustação sejam colocados em prática.

Para quem quiser conferir através de fotos, o que rolou nas edições anteriores do curso, basta curtir nossa página no Facebook (Curso de Vinhos para Iniciantes Recife).

O curso será realizado no restaurante Adega (dentro do clube Português), que além de ter localização central, conta com amplo estacionamento.

O Investimento é de R$ 400,00 em 1+2 no cheques, R$ 380,00 à vista e R$ 360,00 para grupos a partir de 3 pessoas. As inscrições devem ser realizadas até o dia 30/09.

Quem quiser receber o programa detalhado ou obter outras informações sobre o curso, basta mandar email para: vinhopor2@gmail.com ou entrar em contato através do número (81) 99278-1135 (Maykel Campos).

domingo, 4 de setembro de 2016

Roteiro de Enoturismo pelo Vale do São Franscisco

O Vale do São Francisco é a região de cultivo de Vitis Vinifera mais diferente do Brasil.


Fica situada entre os paralelos 8° e 9° da latitude sul, no vale do Médio São Francisco, na divisa entre Pernambuco e Bahia, próxima das cidades de Petrolina e Juazeiro, fora das faixas de cultivo de uvas classicamente aceitas como ideais, compreendidas entre as latitudes 30° e 50° nos dois hemisférios. O Vale do São Francisco é o único local do mundo em que se produzem duas/três safras por ano, em razão das altas temperaturas e do clima estável. Por isso, hoje é a segunda maior produtora de uvas e vinhos do Brasil. Não dá, portanto, para perder a oportunidade de conhecer essa região numa visita técnica focada nos vinhos, que será conduzida pela Sommelière Mary Dubeux. Quem optar pelo passeio irá conhecer a vinícola Rio Sol, além de participar de diversas outras programações. Os interessados poderão fazer suas reservas através do email: mary_dubeux@yahoo.com.br ou pelo telefone: (81) 9.9572-3689

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Vendas do setor vitivinícola recuam 4,35% no semestre

A quebra na safra de uva deste ano, que aumentou o custo da matéria-prima, aliada à elevação dos insumos e ao aumento da tributação nos vinhos, impactaram negativamente o desempenho comercial dos principais produtos vinícolas no primeiro semestre de 2016. Em praticamente todas as categorias se verificou a subida de preços e, por consequência, o recuo nas vendas. A exceção foi o vinho fino, que vem mantendo os resultados positivos desde o ano passado mesmo com tabelas reajustadas.No total global do setor, a comercialização dos primeiros seis meses do ano foi 4,35% menor em relação ao mesmo período de 2015.
 
“O setor vitivinícola não está desconectado da  situação econômica nacional. Mas, comparando com outros segmentos, o recuo não foi tão drástico. Talvez, se tivéssemos conseguido reverter a elevação do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), poderíamos estar alcançando o mesmo resultado do ano passado”, observa o presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Dirceu Scottá. O dirigente se refere à elevação de alíquota do IPI de um valor máximo de R$ 0,73 por litro, para um percentual de 10% sobre o valor de venda da garrafa, que entrou em vigor em 1º de dezembro de 2015.
 
A despeito de haver recuo de 5,73% no vinho de mesa, de 9,65% no espumante e de 5,85% no suco de uva pronto para consumo, o vinho fino teve alta de 9,33%. Como a importação também se apresenta positiva, em 5,09%, observa-se que consumo da categoria no país, somado aos nacionais, nesse primeiro semestre, ampliou em 6%, representando 2,5 milhões de litros a mais ante o mesmo período do ano passado.
 
Em contrapartida, a retração na importação de espumantes chegou a 30%. Somando com o resultado dos rótulos nacionais, a categoria encolheu em 14,45%, representando 942.263 litros.
 
Para o setor, dois fatores contribuíram para o desempenho menor dos espumantes. O primeiro foi a antecipação de compras pelo mercado ainda no final de 2015, para evitar a aquisição de produtos com valores onerados pela alíquota maior de IPI. O segundo foi o frio mais intenso verificado esse ano, que impulsionou o consumo de vinhos tranquilos em detrimento dos espumantes. A venda de vinhos finos tintos, por exemplo, cresceu 13,5%. O setor, entretanto, avalia que poderá ocorrer retomada das vendas nos próximos meses.       
 
“Como o grande volume de comercialização se verifica no segundo semestre, há condições de reverter esse desempenho”, acredita o vice-presidente do Ibravin, Oscar Ló.
 
A mesma previsão não deve se verificar para o vinho de mesa e para o suco, que devem chegar ao final do ano com baixa nas vendas. “O vinho de mesa tem um público-consumidor que é bastante sensível a preço e também houve uma redução na oferta disponível no mercado. O suco de uva 100% também deve ter recuo nas vendas em comparação com o que vinha apresentando nos últimos anos. Mas na próxima safra, havendo uma boa colheita, essa situação pode se estabilizar”, observa Ló.
 
 Para a segunda metade do ano, Scottá explica que a reversão da medida que elevou o imposto sobre os vinhos será crucial para o setor. “Se conseguirmos negociar uma alíquota menor para o IPI, talvez consigamos recuperar uma percentagem do que caiu no vinho de mesa e ter um resultado ainda melhor no fino, pois ele tem impacto direto no preço. Mas ainda é cedo para qualquer prognóstico”, resume o presidente. 
 
Créditos da foto: Gilmar Gomes

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Miolo lança primeiro vinho do Brasil elaborado com uvas de colheita noturna

Em fevereiro deste ano, o Grupo Miolo implementou no Brasil uma nova tecnologia na colheita de uvas: a Colheita Noturna. Já utilizada em outros países, ela consiste – como o nome indica – na realização da colheita mecânica no período noturno.

A primeira utilização do processo aconteceu com a variedade Sauvignon Blanc no vinhedo do Seival Estate, na região da Campanha, no Rio Grande do Sul, e o resultado já pode ser conferido: acaba de chegar ao mercado o Miolo Reserva Sauvignon Blanc 2016, o primeiro vinho nacional elaborado com uvas de colheita noturna.

Entre os benefícios da Colheita Noturna, está a influência da temperatura, que cai consideravelmente no período noturno, preservando aspectos importantes da fruta e trazendo aromas bastante destacados. Além disso, o período mais frio preserva as cores verdes do mosto, influenciando não apenas no sabor e aroma do vinho, como também em sua coloração.

Durante a madrugada, a uma temperatura mais baixa, a uva está gelada e apresenta uma preservação aromática diferente da fruta colhida durante o dia a altas temperaturas”, explica o enólogo e superintendente do grupo, Adriano Miolo. De acordo com ele, explorar as potencialidades da Sauvignon Blanc foi a principal motivação pela escolha da colheita noturna para a safra 2016 dessa variedade.

“A Sauvignon Blanc produz alguns dos melhores vinhos brancos do mundo. Na temperada região da Campanha, nos vinhedos do Seival, manejávamos o vinhedo de forma que protegíamos os cachos verdes da luz solar durante a maturação, para a preservação dos aromas. Agora, com a Colheita Noturna, seria como se controlássemos a temperatura da Sauvignon Blanc ainda na videira. Com isso, conseguimos evidenciar os aromas primários e também preservar sua acidez natural”, explica o enólogo Miguel Almeida, que acompanhou todo o processo de elaboração do vinho.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Iniciação ao mundo dos vinhos

Os amantes de vinhos terão a oportunidade de apreciá-los e conhecer um pouco mais sobre a bebida no curso oferecido pelo Grupo RM na RM Express Madalena (Rua José Osório, n° 364, telefone: (81) 3127.9494), no dia 3 de agosto, a partir das 19h. A quantidade de vagas é limitada para 20 pessoas e a inscrição custa R$ 80,00, sendo R$ 50,00 convertidos para o consumo de vinhos na loja. 

O curso será ministrado pelo professor e sommelier Agostinho Lopes, que traz aos participantes um olhar diferenciado sobre a bebida. O curso, de acordo com ele, “vai ser direcionado para apreciadores que não tem conhecimento aprofundado”. Agostinho vai abordar pontos como a temperatura ideal para o consumo, o tipo adequado de taça, a forma correta de abertura, dicas de harmonização e a história do vinho.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Winebar - Lançamentos da Salton

Mais uma edição do Winebar que foi um verdadeiro sucesso. A Salton, mais uma vez, mostrou que é campeã tanto no quesito qualidade, quanto no quesito preço. O Salton Classic Malbec é uma verdadeira pechincha para R$ 20,00, principalmente nos dias de hoje em que o dólar e a inflação jogaram os preços dos vinhos lá para cima. Na cor mostrou um rubi com reflexos violáceos. Nos aromas ameixa em compota com um sutil floral. Na boca corpo leve e uma sutil adstringência, em razão da pouca idade, já que a safra era 2105. O Paradoxo Cabernet Sauvignon, feito na região de Campanha Gaúcha, que custa algo próximo de R$ 35,00, mostrou ótima tipicidade. Na cor era rubi. Nos aromas foi possível perceber notas de pimentão e cassis. Na boca tinha bom corpo e boa persistência. Vale cada centavo. Para fechar com chave de ouro, provamos o Salton Intenso. Um vinho fortificado feito com a uva Chardonnay. No visual era dourado com reflexo âmbar. No nariz foi possível perceber amêndoas, nozes, avelã e mel. Na boca era untuoso, com ótima acidez e persistência. Custa na faixa de R$ 50,00. Um verdadeiro néctar. Feito pelo método de solera, onde os barris são empilhados de forma que os vinhos mais antigos fiquem embaixo, no solo (daí o nome solera), e os mais novos no topo. Os vinhos do topo são os vinhos do ano. Uma porção de vinho do barril mais antigo é removida e engarrafada. A parte utilizada é reposta com vinho do penúltimo barril, seguindo assim sucessivamente até que o primeiro deles seja completado com vinho novo. Um vinho mais que recomendado. A Salton mostrou mais uma vez que qualidade não significa preço alto!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Vinho brasileiro ganha vitrines no Reino Unido durante Olimpíadas

Os vinhos brasileiros estarão, literalmente, na vitrine de um dos principais países consumidores da bebida no mundo durante as Olimpíadas. Trata-se da Windows Display Competition, promoção realizada com lojas especializadas do Reino Unido. Os estabelecimentos que aderirem deverão utilizar o tema Brasil e os produtos brasileiros para criar uma vitrine exposta por, no mínimo, duas semanas, entre o início deste mês e o dia 12 de setembro. Os pontos de venda também realizarão promoções e degustações dos produtos verde-amarelos.

A iniciativa é do projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Os participantes receberão materiais promocionais como bandeiras, taças, camisetas e ice bags.

De acordo com o presidente do Ibravin, Dirceu Scottá, a promoção incentiva os lojistas aexporem os produtos brasileiros de forma mais ostensiva, aproveitando a visibilidade do país em função dos Jogos Olímpicos. "O intuito é expandir o conhecimento sobre os produtos e aumentar a venda durante o período da promoção. O Reino Unido é um dos mercados-alvo do projeto Wines of Brasil e ações como estas ajudam no fortalecimento da imagem do vinho brasileiro e na concretização de negócios", acredita.

Serão premiadas as lojas com as ideias mais criativas, as melhores promoções e as que obtiverem melhor resultado de vendas. A escolha ficará por conta da revista The Wine Merchant e equipe do Wines of Brasil. O prêmio para a melhor vitrine é a vinda do proprietário ao Brasil para conhecer a Serra Gaúcha e as vinícolas. A segunda melhor vitrine premia o lojista com duas caixas de vinho e a terceira com uma caixa. Após o encerramento da promoção, os representantes das lojas enviarão fotos das vitrines, um resumo sobre o impacto nas vendas e um relato sobre a aceitação dos vinhos brasileiros pelo público consumidor.

Na mesma promoção realizada em 2014, em função da Copa do Mundo do Brasil, a projeção inicial era de 40 participantes, mas contou com a adesão de 91 empreendimentos.  A vitrine vencedora foi da Magnum Wineshop e o lojista Brian Saunders veio à Serra Gaúcha em 2015. Ele afirma que a promoção mudou positivamente a percepção dos clientes sobre os produtos brasileiros. "A ação teve um grande impacto nas vendas dos produtos brasileiros. Nada se compara à demonstração dos rótulos brasileiros em meio a um clima “abrasileirado”, falando sobre o país, sua cultura, seus vinhos", relata.
 
Foto: Magnum Wineshop/Divulgação

domingo, 3 de julho de 2016

Los Pisanos son los Pisanos

Um dia desses nós vimos o Gustavo Pisano postando essa frase no facebook e, depois de conhecer os irmãos Pisano de perto, ela passou a fazer muito sentido para nós. Não há dúvida de que eles são os caras, como costumamos dizer aqui no Brasil. Foi um privilégio desembarcar no Uruguai e ter como primeiro destino essa extraordinária bodega. São grandes vinhos, feitos por grandes pessoas.

Conhecemos toda a parte produtiva da vinícola, para depois provar os vinhos num sala de degustação que é uma extensão da casa da mãe deles, não haveria como se sentir mais em casa. Além disso, Daniel Pisano é extraordinário, uma figuraça, como sempre havíamos lido nas resenhas de outros blogueiros/jornalistas. É um cara de muita simpatia e grande energia. Tudo verdadeiro e espontâneo. 

Conversamos desde como o pai deles levou a Torrontés para o Uruguai - sim, um raro Torrontés feito fora da Argentina -  e até mesmo como o Axis Mundi, o eixo da Tannat no mundo, foi um acidente. Era um vinho que não tinha atendido às expectativas imediatas deles, mas que virou um verdadeiro néctar após o devido repouso em barricas na adega. Os Pisanos estão certos em afirmar que o Axis Mundi é o centro do universo dos Tannats. É a mais pura verdade. Um grande vinho produzido por quem sabe que faz grandes caldos.

E não nos esqueçamos de Gabriel Pisano, filho de Eduardo Pisano, com suas ideias inovadoras, que mostrou  muito talento nos vinhos que tivemos oportunidade de degustar.

A personalidade dos Pisanos está muito presente em seus vinhos, que são realmente autorais. É um misto de tradição e irreverência que só dá para entender provando.

Mesmo assim, vamos dividir com vocês a nossa opinião sobre os vinhos que degustamos naquele dia especial.

Viña Progreso Viognier 2015. Mostrou cor amarelo palha com reflexos dourados. Nos aromas foi possível perceber notas cítricas e florais. Na boca mostrou bom corpo e média acidez. (Bom)

Pisano Rio de Los Pájaros Torrontés 2015. Vinho de cor esverdeada. No nariz mostrava aromas florais. Na boca era de corpo e acidez medianas, com um sutil amargor no fim que é característico dessa casta. (Bom -)

Pisano Rio de Los Pájaros Pinot Noir. Na análise visual apresentou cor rubi claro. No nariz percebemos cereja, framboesa e um defumado sutil. Na boca o corpo era leve e a acidez presente. (Bom +)
 
Viña Progreso Tannat 2013. Um vinho de cor rubi escuro com reflexos violáceos. Nos aromas as frutas negras estavam presentes, além da barrica bem integrada. Na boca era encorpado e com uma adstringência no fim. Um vinho que ainda está jovem e vai evoluir com o tempo em garrafa. (Bom).

Viña Progreso Sangiovese 2013. Tinha cor rubi de média intensidade, com um sutil reflexo atijolado. Nos aromas predominavam frutas vermelhas e especiarias como a pimenta do reino. Na boca apresentou bom corpo e ótima acidez. Naquela oportunidade estava mais pronto que o Tannat. (Bom/Muito bom)

Pisano RPF Tannat 2013. Foi unânime entre todos os confrades ter sido o melhor vinho custo x benefício da viagem. Lá pagamos algo próximo de uns R$ 45,00, absurdamente barato. Cor violáceo profundo. Nos aromas percebemos frutas negras, notas defumadas e a barrica muito bem integrada. Na boca era encorpado com taninos de qualidade e muito nervo. Sem dúvida uma vinho com aptidão gastronômica. É para acompanhar um belo churrasco. (Muito Bom)

Pisano RPF Petit Verdot 2011. Resume muito bem o que é um vinho longevo. Com cinco anos de idade ainda se mostrava com cor violeta profundo. Nos aromas percebemos ameixas em compota, cedro e notas especiadas. Na boca era encorpado e com ótima acidez. Um verdadeiro vinho de guarda. (Bom/Muito Bom)

Pisano Arretexea 2009. É o topo de gama quando o Axis Mundi não é lançado. Apresentou cor Grená com halo sutilmente atijolado. No nariz mostrou aromas licorosos, notas de chocolate e muitas especiarias, a exemplo de pimenta do reino e noz moscada. Na boca era muito equilibrado, com taninos de veludo e acidez na medida. Recebeu nota 18/20 pela famosa crítica Jancis Robinson. (Muito Bom +)

Pisano Axis Mundi 2011 - Somente foi produzido em duas oportunidades, mais precisamente em 2002 e, por fim, no ano de 2011. Em 2002 recebeu nota 18,5/20 de Jancis Robinson. Na cor era rubi prufundo, quase negro. Nos aromas notamos frutas negras (amoras e ameixas) licorosas, além de toques de cedro e pimenta do reino. Na boca, um verdadeiro colosso. Muito concentrado, mas com taninos de veludo, acidez firme e persistência quase infinita. Fantástico. Pelos confrades que viajaram conosco foi tido como melhor vinho da viagem. (Excelente)

Etxe Onenko Tannat Licoroso. Foi uma das primeiras aventuras de Gabriel Pisano na enologia. Um dos melhores vinhos licorosos do Uruguai. Recebeu nota 18/20 de Jancis Robinson. Muito merecido. Quando degustado apresentou cor atijolada em um tom profundo. No nariz percebemos geleia de frutas negras e toques especiados. Na boca tinha muito equilíbrio entre açúcar e acidez, além de taninos completamente amaciados pelo tempo. (Muito Bom)

Foi uma visita para não sair da memória, com grandes vinhos e grandes pessoas e não poderia ser diferente, afinal: Los Pisanos son los Pisanos!

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Alta Vista Premium Malbec 2013 - CBE

A linha Premium da Alta Vista é sempre consistente e nunca decepciona. Uma pena que atualmente, com a alta do dólar e o aumento de imposto sofrido pelo vinho, esteja custando na faixa de R$ 70,00. A família d'Aulan, de origem francesa, conseguiu trabalhar muito bem a Malbec, mantendo o conceito de terroir, sempre primordial em sua terra natal. A vinícola se localiza no coração de Chacras de Coria, 15 quilômetros ao sul da cidade de Mendoza. Trata-se de um edifício histórico - tivemos a felicidade de conhecer pessoalmente - que foi construído em 1899 e renovado em 2003. Esse Malbec repousou (50%) durante 12 meses em barris de carvalho francês. Quando degustado apresentou cor rubi escuro com tons violáceos. No nariz foi possível sentir aromas de fruta escura madura e madeira (cedro) sobrando um pouco. Na boca mostrou-se encorpado, taninos com alguma adstringência e um sutil amargor no fim. Vai precisar de algum tempo para amaciar.
Classificação Vinho por 2: Bom (-)
País: Argentina
Região:  Mendoza
Uva/Corte: Malbec
Teor alcoólico: 14,50%
Preço: R$ 71,00 na RM Express
Degustado em: 10 de junho de 2016
Link: Alta Vista

domingo, 26 de junho de 2016

Grupo Miolo abre inscrições para o Projeto Winemaker, que forma enólogos amadores

Um grupo de enófilos que têm, além da paixão pelo vinho, um ponto em comum: o desejo de elaborar o próprio vinho. Assim são as turmas do programa Winemaker Miolo, único curso da América do Sul destinado à formação de enólogos amadores, que se envolvem em todo o processo de elaboração de um vinho, desde o vinhedo até a escolha e elaboração do rotulo. O projeto é conduzido por Adriano Miolo, enólogo da vinícola Miolo, e pela equipe técnica do Grupo Miolo.

Desenvolvido através da Escola do Vinho, o programa está em sua quinta edição. O objetivo é oferecer a oportunidade de elaborar um vinho próprio, utilizando a estrutura das vinícolas do grupo e o suporte dos profissionais da empresa.

O programa é formado por quatro encontros:

1) o primeiro, destinado à elaboração de vinho tinto, terá início em agosto e serão abordados principalmente aspectos como: viticultura, tratos culturais, podas e toda a parte agronômica;

2) na visita de novembro, o principal foco é a maturação das uvas, transformações fenólicas, poda verde etc. Além da parte prática, há também aulas e entrega de material para preparação da safra;

3) no mês de março de 2017, no terceiro encontro, acontece a safra: os participantes farão a colheita das uvas, seleção manual dos cachos, adição do SO2, pé-de-cuba, de enzimas de outros os produtos enológicos, além de análises e degustações;

4) no mês de junho/julho do próximo ano, o encontro destina-se à definição do corte e envelhecimento, enquanto será definido o rótulo para cada participante, que, ao final do programa, receberá 10 caixas com seis garrafas do vinho que ele mesmo elaborou.

* Durante o período das quatro visitas, os participantes ficam hospedados no luxuoso Hotel e SPA do Vinho Caudalie, que fica em frente à Miolo. Participam também de degustações especiais, jantares e almoços temáticos e harmonizados.

* O vinho elaborado através do programa Winemaker é um Merlot, que pode receber em seu corte outros vinhos, a serem definidos pelo grupo. O vinhedo exclusivo Winemaker é uma das melhores parcelas do vinhedo da família e está localizado dentro do Lote 43, na região demarcada do Vale dos Vinhedos.

JÁ ESTÃO ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA A TURMA DE 2016!

O investimento é de R$ 15.900,00, dividido em 12x sem juros através de boleto bancário. O valor do investimento contempla hospedagens, transfer a partir de Porto Alegre, almoços, jantares e todas as atividades e degustações propostas, além de 10 caixas do vinho elaborado com rótulo personalizado! Informações pelo e-mail laura.neis@miolo.com.br ou pelo telefone (54) 2102-1553.

domingo, 19 de junho de 2016

Vinhos & Sabores de Portugal - Etapa Recife

Foi com um imenso prazer que nos dias 17 e 18 de junho fizemos um verdadeiro mergulho no "universo" dos vinhos portugueses, através da primeira edição do evento Vinhos & Sabores de Portugal em terras recifenses. E realmente podemos falar em "universo", já que Portugal possui centenas de castas autóctones que são efetivamente exploradas comercialmente. Alguns falam em 300 cepas, outros 350 e, ainda, há quem defenda algo na ordem de 500 uvas autóctones. O certo é que a variedade é gigantesca. Desde a Região de Vinhos Verdes até o Alentejo/Península de Setúbal encontramos representantes portugueses de grande categoria. Além disso, o evento foi muito organizado, permitindo aos enófilos de plantão desfrutarem de masterclasses, showcookings e das tradicionais degustações - eram dezenas de expositores - em um ambiente ideal. Vamos relacionar os vinhos que mais nos impressionaram no encontro, elegendo os melhores em suas categorias:

Vinho tinto: Fonte Mouro Alicante Bouschet Grande Reserva 2013 (Alentejo) -  Um expoente da casta em Portugal. Certamente o melhor varietal da cepa que já tivemos oportunidade de provar. Mostrou cor rubi com reflexos grená de grande profundidade. Nos aromas foi possível perceber frutas escuras maduras, tabaco, pimenta do reino, cedro e noz moscada. Na boca era encorpado, mas com taninos macios, um verdadeiro veludo. Mostrou uma elegância incrível, já estando completamente pronto para o consumo, embora seja possível guardá-lo por muito anos. 
 
Branco: Casas Altas Riesling 2013 (Beira Interior) - Nos impressionou a tipicidade desse Riesling, produzido em terras portuguesas.  Na cor mostrou um amarelo palha. No nariz foi possível perceber notas cítricas e químicas que remetiam a petróleo. Com o tempo se transformará em querosene - tão típico da casta. Além disso, as notas minerais também estavam presentes. Na boca mostrou bom corpo e persistência. Vinho com grande tipicidade, que vai evoluir divinamente!

Espumante: Íssimo 2012 (Beira Atlântico) -  Esse espumante não deixou dúvidas de que a uva baga pode resultar em espumantes de muita personalidade. Na cor mostrou uma amarelo palha com reflexos dourados. No nariz notas de tostados com cítricos ao fundo. Na boca era encorpado, gordo, com grande cremosidade, ótima acidez e persistência. E vai a dica: O produtor (Caves Arcos do Rei) está procurando importador para o Brasil. Quem tiver interesse pode nos contactar por e-mail. Além do espumante ele tem na gama um branco feito na região de Vinhos Verdes que foi o melhor branco custo x benefício do evento. Vamos comentar adiante.

Fortificado Branco: Villa Oeiras (Carcavelos - Lisboa) - Foi uma verdadeira surpresa, não sabíamos que nesta sub-região de Lisboa era feito um vinho fortificado de tamanha qualidade. Carcavelos é a menor região demarcada de Portugal, estando cercada por uma paisagem completamente urbana. Incrivelmente ele passa por um repouso de 10 anos em carvalho português e francês. Na cor mostrou-se âmbar. No nariz nozes, mel, caramelo, assim como alguns toques de oxidação. Na boca era untuoso e muito persistente, mostrando grande equilíbrio entre açúcar e acidez. Simplesmente fantástico. Colocou um Moscatel Roxo de 14 anos de idade no bolso.

Fortificado Tinto: Quinta do Sagrado Vintage 2011 (Porto) - Que felicidade foi provar um vinho do Porto de uma safra tão festejada. Temos que confessar que foi a primeira vez que degustamos um vintage com tão pouca idade. O último que degustamos estava a rondar os 20 anos de idade. Mesmo estando muito jovem, deu para perceber que estávamos diante de um grande vinho. Também deu para entender o motivo de um vinho do Porto durar tantos anos. Esse vinho foi escolhido como o melhor fortificado da Expovinis 2016. Na cor tinha um tom violáceo impenetrável. No nariz sentimos frutas escuras em compota, notas florais e mentoladas, assim como cedro. É para deixar na adega, pensando em comemorações especiais muito anos adiante.

Custo x Benefício Branco - Alma e Coração 2015 - (Vinho Verde) - Trata-se de um vinho produzido por vinicultores selecionados pela Caves Arcos do Rei, que está em busca de importador no Brasil. Esse Vinho Verde, de acidez maravilhosa, não deve passar de R$ 30,00 ao consumidor, mesmo com a nossa pesada carga tributária. É para beber aos litros na praia ou na beira de uma piscina. Vai ser um "best buy". Estamos rezando para que chegue logo nas prateleiras das lojas especializadas. Quando degustado apresentou cor esverdeada. No nariz percebemos notas cítricas. Na boca a acidez era incrível. Muito refrescante. Quem quiser importar é só nos mandar um e-mail que passamos o contato.

Custo x benefício tinto  - 3 Autores 2013 - (Douro) - Não foi por acaso que ele foi escolhido como o melhor tinto da feira abaixo de R$ 70,00. Que custo x benefício! Um vinho de cor rubi de média intensidade. No nariz frutas vermelhas (cerejas) e um sutil floral. Na boca estava muito macio, com taninos polidos.

Outros destaques:

3 Autores Grande Reserva 2011 - (Lisboa) - Esse foi um dos melhores tintos do evento. Que vinho. Mostrou cor rubi intenso e profundo, com reflexo violáceo. Nos aromas foi possível perceber frutas escuras como ameixas e cassis, cedro e tabaco. Na boca era encorpado, sendo muito intenso e persistente. Os taninos ainda pegavam um pouco no fim de boca, vão amaciar com o tempo em garrafa.
Reserva dos amigos 2014 e Reserva dos amigos Seleção Especial 2013 - Em linhas gerais vinhos com muita fruta vermelha no nariz, chegando a mostrar notas licorosas e com uma maciez incrível em boca. Segundo o representante da Vidigal Wines, são vinhos que chegam custando uns R$ 50,00 aqui no Brasil. É para comprar de caixa!

Enfim, esse foi o nosso apanhado do evento. Aproveitamos, mais uma vez, para parabenizar aos organizadores e ressaltar que Recife precisa de outros encontros como esse. Postaremos em breve as nossas impressões sobre os vinhos servidos no jantar harmonizado que participamos no último dia 17, no restaurante Rui Paula.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

TOP TEN EXPOVINIS

Uma das notícias mais aguardadas do evento acaba de ser divulgada: são os vencedores do TOP TEN ExpoVinis Brasil 2016, que indica os melhores rótulos da feira em dez categorias: Espumante Nacional, Espumante Importado, Branco Nacional, Branco Importado, Rosado, Tinto Nacional, Tinto Novo Mundo, Tinto Velho Mundo (dividida nas subcategorias ‘Península Ibérica’ e ‘Itália, França, entre outros’) e Fortificados e Doces.

Um júri formado por importantes profissionais do mundo do vinho, como o premiado Manoel Beato, sommelier-chefe do grupo Fasano, esteve reunido durante 2 dias para escolher os melhores vinhos do ExpoVinis Brasil. Completam a lista de jurados Marcelo Copello (Revista BACO), Celito Guerra (Embrapa-RS), José Luiz Borges (ABS-SP), José Luiz Pagliari (SENAC-SP), José Maria Santana (revista Gosto), Márcio Oliveira (Site Vinotícias), Mario Telles Junior (ABS-SP), Ricardo Farias (ABS-Rio), Roberto Gerosa (Blog do Vinho), Marcel Miwa (Prazeres da Mesa) e Luiz Horta (O Globo).

O renomado consultor Jorge Lucki – único membro brasileiro da tradicional Académie Internationale du Vin – presidiu o júri do concurso e participou da avaliação.

Entre os destaques deste ano está o espumante Gran Legado Brut Champenoise, vencedor pela terceira vez da categoria ‘Espumante Brasileiro’. Confira abaixo a lista completa dos vencedores:

Espumante Brasileiro: Gran Legado Brut Champenoise
Produtor: Gran Legado Vinhos e Espumantes
Preço: R$ 50,00

Espumante Importado: Hunters Miru Reserve
Importador: Premium Wines
Preço: R$ 275,00

Branco Brasileiro: Don Guerino Sinais Sauvignon Blanc
Produtor: Vinícola Don Guerino
Preço: R$ 39,90

Branco Importado: Gomila Single Vineyard Selection Sauvignon Blanc
Importador: p&f Wineries
Preço: R$ 98,00

Rosado: Domaine D’Estienne Coteaux Varois en Provence 2015
Sem importador no Brasil

Tinto Brasileiro: Lidio Carraro Agnus Tannat
Produtor: Lidio Carraro Vinícola Boutique
Preço: R$ 50,00

Tinto Novo Mundo: Survalles Ballena Azul Family Reserve
Sem importador no Brasil

Tinto Velho Mundo – Península Ibérica: Bodegas Pinord Clos del Mas
Importador: Grupo Pão de Açúcar
Preço: R$ 120,00

Tinto Velho Mundo: Castelvecchio Il Brecciolino
Importador: Bodegas Selecionadores de Vinhos
Preço: R$ 245,00

Fortificados e Doces: Quinta do Sagrado Vintage 2011
Importador: Brascod
Preço: R$ 429,00

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Feira de produtos portugueses no Recife com ingressos promocionais

O público interessado em participar da feira Vinho & Sabores de Portugal, que acontecerá no Mercure Recife Mar Hotel Conventions, nos próximos dias 17 e 18, pode adquirir ingressos para o evento com preço promocional até o próximo dia 16. As entradas estão sendo comercializadas ao preço de R$ 40, no site Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br) e na Livraria Jaqueira. A feira reunirá mais de 40 produtores portugueses que apresentarão seus produtos ao público, incluindo cerca de 250 rótulos de vinhos de diferentes regiões daquele país, além de azeites e outros produtos gastronômicos, com livre degustação. Também haverá venda de mercadorias.

SERVIÇO:

Vinho & Sabores de Portugal

Quando: 17 e 18 de junho de 2016
Horário: Das 14h às 22h
Onde: Mercure Recife Mar Hotel Conventions, Boa Viagem, Recife-PE.
Mais informações e programação:
www.vinhoesabores.com.br
Inscrições:
www.ingressorapido.com.br | Livraria Jaqueira (Rua Antenor Navarro, 138, Jaqueira)

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Boas lojas de vinho em João Pessoa


Em mais um grande contribuição, nossa amiga Julieta Japiassu dá preciosas dicas sobre onde comprar vinhos em João Pessoa. Confiram abaixo: 

"Resolvi escrever sobre lugares para comprar vinho em João Pessoa porque vou muito a essa cidade, e de vez em quando me vejo com uma sede enorme pela minha bebida preferida. Além disso, seria útil indicar essas lojinhas aos moradores de Recife, já que se trata de uma cidade tão próxima da nossa, onde podem ser vistos vários turistas recifenses circulando por lá. 

Como nem sempre o bolso aguenta frequentar restaurantes maravilhosos com cartas de vinhos de bom nível, a ideia é comprar uma garrafa e preparar um jantarzinho em casa (pra quem tem um ponto em Jampa essa ideia é legal) ou simplesmente levar uma garrafa prá um churrasco, almoço ou jantar com amigos. 

Selecionei as melhores lojas de lá, uma em Tambaú, outra em Manaíra e a última no bairro onde fico sempre, o Bessa. 

A Grand Cru (foto ao lado) foi fundada em Buenos Aires, em 1998, com foco em vinhos argentinos e de Bordeaux, tendo chegado ao Brasil no ano de 2002. Em João Pessoa, fica em Tambaú, apresentando um rico portfólio com achados excepcionais. 

No bairro de Manaíra uma ótima opção é a De Passagem (foto ao lado), que fica no Mag Shopping. É um mini empório, de boa localização, com bons rótulos e duas mesinhas para o cliente degustar seus vinhos. Ainda vende algumas cervejas especiais e o atendimento é de primeira. 

Já no Bessa, um bairro mais afastadinho (mas que se comparado a Recife é pertíssimo dos outros bairros), uma loja que vale a pena conhecer é a Baco Vinhos Finos (foto abaixo). Pequenininha, aconchegante, onde o consumidor se sente bem atendido e confiante. 

Localização: 

Grand Cru - R. Márcionila da Conceição, 1365 - Cabo Branco,João Pessoa - PB,58045-050

De Passagem - Mag Shopping, Mag shopping,Av. Gov. Flávio Ribeiro Coutinho, 115 - 14,15,16 - Manaíra,João Pessoa - PB,58037-000
 
Baco Vinhos Finos - Av. Pres. Afonso Pena, 261, L. 01 - Bessa,João Pessoa - PB,58035-030"